Diário de um fotógrafo. Fotos em grande angular (a retroescavadeira)

A distância focal de 24mm, proporcionada pela objetiva Sigma 24-70mm f/2.8 IF EX DG HSM é a primeira grande angular que pude experimentar em câmera com sensor full frame.

Nesta pequena aventura, não poupei a lente. Usei a abertura máxima de f/2.8 e me mantive na extremidade inferior de seu range focal, de 24mm.

As fotos da galeria, abaixo, não foram tratadas. Elas correspondem aos arquivos RAW obtidos diretamente da câmera para o DarkTable — onde me limitei a reduzir a resolução (para a web).

Desliguei todas as opções de correção de distorções e aberrações ópticas — tanto na câmera quanto no DarkTable.

Se bem que a minha Canon EOS 6D Mark II só consegue corrigir a difração da lente Sigma 24-70mm f/2.8 IF EX DG HSM. O resto eu teria que arrumar na pós-produção — e eu raramente faço isso.

Convivo muito bem com algumas características das lentes, que alguns teimam em chamar de defeitos — tais como as distorções e as vinhetas.

Se você prefere fotos com melhor qualidade visual, eu sugiro tomar as seguintes medidas, já na própria câmera:

  • Ative todas as opções de correção possível, dentro da câmera. Se você gosta de editar suas imagens, isso já vai te poupar enorme tempo;
  • Siga a recomendação usual de não usar a abertura máxima, sempre que possível, em lente alguma. Na Sigma 24-70mm f/2.8 IF EX DG HSM, uma abertura de diafragma em f/4.0 já é o suficiente. O ideal é f/5.6 ou f/6.3.
  • As fotos em grande angular condensam em um pequeno espaço da imagem uma enorme quantidade de informações. Usar o modo de medição de luminosidade (metering mode) Evaluative (na Canon) ou Matrix (na Nikon) vai ajudar a obter uma configuração de captação média da luminosidade, evitando partes “estouradas” na sua imagem.

Por fim, não se esqueça de se divertir. Imagens em grande angular podem ser incríveis.

Se eu fosse editar as imagens, talvez escurecer e desaturar o céu, para dar mais destaque ao amarelo da retroescavadeira.

Como editar suas fotos no Instagram

Há “duzentos” anos atrás, quando comecei a usar o Instagram, eu recorria muito aos filtros prontos que a plataforma oferecia.

Depois de algum tempo, é natural querer aplicar sua própria edição às fotos e deixar a sua marca pessoal na rede social.

Infelizmente, até o momento (fim do fatídico ano de 2020), o Instagram ainda não nos permite salvar nossos ajustes, para criar nossos filtros personalizados — isso seria realmente incrível! Quem sabe no futuro…

Por enquanto vamos ver o que é possível fazer no módulo de edição do Instagram.

Use um filtro junto com a sua edição

Você pode editar as suas fotos e, quando terminar tudo, aplicar o seu filtro favorito — ou vice-versa.

Com estas combinações, é possível obter efeitos realmente exclusivos para as suas imagens na rede social.

Por exemplo, você pode aplicar o filtro Mayfair e depois dar uma caprichada extra na temperatura da imagem — para ela ficar mais “quente”.

Use as edições com moderação…

ou não! 😉

Não existe o certo ou errado, aqui. Faça as suas escolhas artísticas de acordo com o que você acha que fica mais bonito.

Ser moderado, durante a edição, não é uma regra — é apenas uma sugestão ou uma linha guia.

É como a maquiagem: você prefere mais carregada ou mais leve, quase imperceptível?

Você decide.

As opções de edição de imagens do Instagram

tela do Instagram
Opções de edição de imagens no Instagram
  • Ajuste — O primeiro item permite reajustar a imagem, horizontalmente e verticalmente. É possível aplicar alguns efeitos de perspectiva forçada, que podem tornar mais interessante (ou surreal) a sua imagem. O mais comum, é usar esta ferramenta quando você percebe que a linha do horizonte (na praia, por exemplo) não ficou “perfeitamente alinhada ao horizonte”.

A minha sugestão é sempre alinhar as suas imagens, se for necessário, antes de postar — ou, se preferir a imagem desalinhada, aplique o desalinhamento com vontade, para ficar claro que foi intencional.

  • Brilho — Aqui, é possível corrigir problemas de exposição. Você pode escurecer, se a foto ficou muito clara ou clarear, se a foto ficou muito escura.

Use com moderação, por que o clareamento excessivo pode introduzir ruídos, entre outros problemas, na imagem.

Contraste — Este ajuste vai aumentar a diferença entre as áreas claras e as áreas mais escuras.

Estrutura — O recurso de ajuste de estrutura é comumente usado para resolver problemas de imagens ligeiramente desfocadas. Pessoalmente, jogo fora as fotos desfocadas — detesto ter que corrigir este tipo de problema depois. Principalmente retratos de pessoas.

Contudo, a ferramenta estrutura pode ser usada para recuperar detalhes de uma paisagem ou trazer um pouco mais de dramaticidade a um retrato.

Aplicada a um retrato, pode enfatizar mais a textura do rosto — realçando os olhos, as rugas, os poros, as expressões da boca etc. Algumas pessoas vão gostar, outras irão detestar.

Temperatura — Este recurso pode dar mais controle à sensação que você deseja passar com a sua imagem — um ambiente mais quente ou mais frio.

Também pode ser usado para corrigir a coloração dada por diferentes fontes de luz a uma foto.

Se você fez um retrato à contraluz do sol (que é uma luz quente), no fim da tarde e usou o flash (que é uma luz fria) para obter um “preenchimento”, pode usar a temperatura para equilibrar a coloração da sua imagem.

Saturação — Para simplificar, é possível intensificar as cores da sua foto ou reduzir, até chegar ao preto e branco.

Cor — A ferramenta de cor, permite aplicar uma coloração às sombras (parte escura da imagem) e outra coloração às altas-luzes.

Às vezes, uso um pouquinho de vermelho ou azul nas sombras, para ajustar o contraste. Experimente e veja, por si, se gosta de usar este recurso.

Toque duas vezes sobre um dos círculos de cor para ajustar a intensidade de sua aplicação.

Toque 2x sobre um círculo colorido, dentro do módulo Cores, para controlar a intensidade de aplicação do efeito.

Esmaecer — A ferramenta aplica um efeito de “esmaecimento” nas imagens, dando um aspecto de foto antiga, desgastada, com cores “lavadas”.

Realce — Controla a intensidade das altas-luzes (highlight), ou seja, o brilho das partes mais claras da sua imagem.

Sombras — Em contraste com a ferramenta de realce, controla a intensidade das sombras, ou partes escuras da sua imagem. Aliás, vocẽ pode usar as duas ferramentas (realce e sombras), complementarmente, para ajustar o contraste.

Vinheta — Escurece as bordas da imagem. Pode ser usada para dar um tom mais intimista a um retrato ou a uma cena e guiar o olhar de quem vê para o centro de interesse da imagem.

Tilt shift — Permite escolher uma região da sua imagem para manter a nitidez já existente e “borrar” ou “desfocar” o restante. Tal como a vinheta, pode ser usado para criar um ponto de interesse, para guiar o olhar do espectador.

Nitidez — Semelhante à ferramenta estrutura, aumenta a nitidez geral da imagem, sem exagerar detalhes. Eu sugiro usar “uma pitadinha” das duas, se quiser realçar melhor os detalhes da imagem.

A prática é fundamental para melhorar a sua fotografia.

A resposta curta para quem deseja melhorar suas fotos com o celular é: “Tire ele do bolso mais vezes e comece a fotografar mais”.

A sua fotografia, melhora (e muito) com a prática. E o inverso também é verdadeiro: quando paramos de praticar, perdemos o traquejo, enferrujamos etc.

Para ajudar na prática, há algumas perguntas que você pode se fazer e que ajudarão a entender melhor o que deseja e o(s) caminho(s) a ser(em) seguido(s).

O que você gosta de fotografar?

A fotografia, tal como a pintura, a música e qualquer outra atividade artística, se subdivide em inúmeras tendências e temas.

Por exemplo, se você adora rock, dificilmente vai achar prazeroso praticar violão ao som de samba ou música clássica. Você precisa se conectar à música, para conseguir se desenvolver.

Algumas pessoas conseguem listar mais de 100 tipos de fotografia, mas a gente pode simplificar tudo em 4 categorias:

  • Fotografia de paisagens e natureza
  • Fotografia de pessoas
  • Fotografia de rua
  • Fotografia de objetos

E estas categorias ainda podem se misturar entre si e criar inúmeras outras subcategorias. Por exemplo, a fotografia de rua pode envolver imagens de pessoas, objetos, prédios (fotografia de arquitetura), paisagens etc.

Se você absolutamente adora fotografar flores, pode ser que não se sinta confortável para sacar o celular durante uma reunião de família ou de amigos.

A dica, aqui, é descubra o que você gosta de fotografar e se concentre nisso. Além de ser mais produtivo, com certeza também será mais divertido.

Vá atrás do que gosta

O que você precisa fazer é criar tempo e oportunidades para ir a lugares e criar as situações que você gosta de fotografar.

Se você curte paisagens, procure planejar pequenas viagens para lugares próximos, que tenham vistas que você gostaria de registrar.

Se curte fazer imagens de pessoas, talvez a fotografia de rua seja pra você. Experimente!

Se você ainda não sabe, exatamente, do que gosta, pode ser interessante ler sobre os tipos de fotografia e experimentar durante um tempo, até descobrir com que tipo de assunto você consegue se conectar.

Estude um pouco de fotografia todo dia

Estudar um pouco sobre o tipo de fotografia que te interessa, ler alguns textos na Internet, acompanhar um canal sobre o assunto no Youtube, no Vimeo etc pode fazer a diferença na sua caminhada para se tornar um(a) fotógrafo(a) melhor.

Estudar, estudar e estudar é sempre o melhor investimento do seu tempo e (eventualmente) do seu dinheiro.

O que precisa comprar?

Nada. Não compre nada.

Cursos, são a única exceção a esta regra. Educação é investimento.

Você não precisa de uma câmera nova ou de um celular novo, para fazer melhores fotos. Se o seu celular tem menos de 10 anos de existência, ele provavelmente já é bom o bastante. Você não precisa de mais megapixels, só precisa aprender a usar o que tem nas mãos.

O equipamento que você tem, já é muitas vezes melhor do que qualquer máquina fotográfica existente há 50 anos atrás. E você conhece muitas imagens incríveis e famosas tiradas por fotógrafos antigos e que ainda nos deixam admirados.

Portanto, a última coisa que você precisa, para melhorar a sua fotografia, é de uma câmera nova.

Vá praticar

Agora que você já sabe o que gosta de fotografar e que não precisa ter vergonha do seu celular antigo, comece a tirá-lo do bolso mais vezes e a registrar o mundo ao seu redor.

A sua fotografia e a videografia melhoram, essencialmente, com 2 coisas: a prática e o estudo.

Pare de acreditar em propagandas de celulares

Novamente, nenhum smartphone vai ajudar você a tirar fotos melhores.

Eu sei que as propagandas, das maiores fabricantes de celulares, dizem o contrário: “você precisa comprar o nosso celular, que tem 120 câmeras, cada uma com centenas de megapixels blá-blá-blá… e isso vai fazer as suas fotos ficarem incríveis!”

Se você quer comprar um celular novo, tá tudo bem.

O meu ponto é só esse: não acredite na conversa fiada de fabricantes de celulares.

Eu até acredito que muitas das imagens exibidas em comerciais de smartphones são realmente obtidas pelo aparelho que estão tentando te vender, mas — preste atenção — são obtidas por fotógrafos(as) profissionais.

E estes profissionais conseguiriam obter as mesmas imagens com qualquer outro celular. A grande diferença, não é a câmera — é a pessoa que está atrás dela, com toda a sua experiência e conhecimento.

Ter experiência e conhecimento, é algo que está ao seu alcance e só custa o seu tempo. Vá atrás disso. (y)