Por que as lentes da série L da Canon custam mais caro? (Parte II)

Recentemente, expliquei o que as lentes da série L têm a mais em relação às lentes “normais” da empresa. No post fiz uma comparação entre a Canon EF 24-105mm f/4L IS II USM e a Canon EF 24-105mm f/3.5-5.6 IS STM — por que têm as mesmas distâncias focais.

Leia o post aqui, se quiser entender melhor o assunto.

Embora, até o momento, não tenha ocorrido discordâncias dos leitores, alguns me perguntaram: “e as 24mm?” ou “e as 50 ou 85mm?!”.

De fato, foi fácil mostrar que a disparidade de preços entre as 24-105mm da Canon não é tão grande assim e que pode compensar economizar um pouco mais para comprar a versão high end, neste range focal.

Contudo, quando analisamos as outras distâncias focais — 24mm, 35mm, 50mm e 85mm — a resposta já não é mais tão fácil e as discrepâncias entre os valores são bem mais acentuadas.

As reais diferenças entre as 24-105mm da Canon

Eu poderia acrescentar, em relação ao artigo anterior, que a abertura máxima, de f/4, da versão L, não chega a ser um diferencial tão grande assim, em relação à versão low end (de baixo custo) — ela também consegue oferecer uma abertura igual ou inferior até os 28mm e consegue chegar a f/4.5 aos 42mm.

No artigo a que me referi, acima, nem citei a abertura máxima da lente como diferencial.

Mas, nos casos que seguem, este diferencial é mais proeminente e, com certeza, será mencionado.

As lentes com distância focal de 24mm da Canon.

A Canon tem 4 (quatro) opções de objetivas prime (de foco fixo) nesta distância focal:

  • EF-S 24mm f/2.8 STM (US$ 159,00), é uma lente pancake, na faixa de preço da 50mm f/1.8 (de quem vamos falar mais adiante…). Parte da explicação do baixíssimo custo dela é que se trata de um projeto voltado para sensores APS-C e, portanto, os elementos de vidro (além de ser em menor quantidade) têm circunferência menor — em outras palavras, tem menos vidro.

Trata-se de um projeto de excelente qualidade, mas que não pode ser usado em câmeras fullframe — o que já dificulta muito a comparação.

  • EF 24mm f/2.8 IS USM (US$ 600,00), não tem preço de objetiva “popular” mas, talvez, seja a melhor para ser usada na comparação com a sériel L, abaixo.

Para justificar o preço desta lente, em relação à anterior (EF-S 24mm f/2.8 STM), veja que ela tem mais elementos de vidro (e maiores) para cobrir a área de um sensor fullframe, além da estabilização óptica de imagem.

Até aqui, ela custa 600 dólares mas, se incluir os itens extra (bolsinha, hood e filtro de proteção), seu valor pode chegar a aproximadamente 750 dólares — metade, por tanto do preço da série L, da família.

  • EF 24mm f/1.4L II USM (US$ 1550,00), com um custo aproximadamente 2X superior à opção anterior, não tem estabilização, mas tem a capacidade de repassar uma quantidade muito maior de luz para o sensor.

Como já disse, o objetivo dos meus posts, é apenas mostrar que as diferenças de preços nem sempre são tão grandes entre as objetivas “comuns” e as “extraordinárias”, da série L.

  • TS-E 24mm f/3.5L II (US$ 1900,00), próximo de 2 mil dólares, é um equipamento voltado à arquitetura, como um nicho. Alguns fotógrafos a usam para compor retratos mais interessantes, com um desfoque mais direcionado (tilt shift) que a lente permite. Não faz sentido comparar ou discutir preço de equipamento de nicho. Uma das variáveis, que compõem seu preço, é provavelmente a escala marginal de produção e a complexidade extra na sua fabricação.

As 35mm da Canon.

Desta vez, me permita ignorar a versão EF-S Macro da lente. Vou comparar apenas as 2 versões EF — que podem ser montadas em todas as câmeras com sensores APS-C e fullframe da marca:

  • EF 35mm f/2 IS USM (US$ 600,00), é um projeto de 2012, sucessor da 35mm f/2 (1990), dentro de uma escola de design, que alguns poderiam dizer “desatualizada”, mas com uma excelente performance e estabilização de imagem. Se adicionarmos os acessórios dos kits das série L, ela poderia ser negociada a aproximadamente 750 dólares.

O que torna seu preço um tanto difícil de se entender, é a comparação com a 50mm f/1.8 STM (US$ 150,00), a “cinquentinha” — que, embora não tenha estabilização, permite abertura máxima de diafragma até f/1.8.

  • EF 35mm f/1.4L II USM (US$ 1800,00), é um projeto ligeiramente mais atual (2015), sem estabilização óptica de imagem.

Note que, neste ponto, encontramos uma diferença de preços bem grande. Ela custa 3 vezes mais que a 35mm f/2 IS USM e 4,5 vezes mais que a 50mm f/1.4.

Sempre lembrando que a diferença entre a distância focal de 35mm e 50mm é equivalente a um passo para trás ou para frente — se é que isso ajuda a decidir.

A Sigma e a Tamron oferecem objetivas semelhantes, por preços próximos da metade da versão L. É possível que a precificação da Canon esteja fora da realidade.

Para câmeras APS-C, eu sugiro fortemente considerar a Sigma 30mm f/1.4 EX DC HSM — um projeto antigo, mas ainda muito bom.

As opções de comparação na distância focal de 50mm da Canon

Este range focal é o mais popular da fotografia e a Canon tem 3 opções bem definidas, aqui:

  • EF 50mm f/1.8 STM (US$ 125,00), com uma relação custo/benefício ímpar, esta lente é a única recomendada deste set comparativo, a menos que você precise muito de alguma característica específica das outras.
  • EF 50mm f/1.4 USM (US$ 400,00), se você não precisa muito fazer suas fotos em f/1.4, não há necessidade de desembolsar 3X mais do que você pagaria pela “cinquentinha”. Tudo o que esta lente oferece, é uma abertura maior e um visual dos anos 90. O pacote não inclui filtro, bolsinha, hood ou qualquer outra vantagem.

Na minha humilde avaliação, a qualidade a mais não chega a 10% — embora eu aprecie muito o desempenho dela em condições de baixa luminosidade.

  • EF 50mm f/1.2L USM (US$ 1400,00), com um custo 11 vezes superior à cinquentinha e 3,5 vezes superior à 50mm f/1.4, você vai precisar de bons argumentos em casa para justificar esta compra.

O que pesa, no preço deste “monstrinho” (digo isso com bastante carinho), é o projeto de objetiva com capacidade para chegar a f/1.2 — não é fácil. A complexidade tem um custo.

Os projetos de 85mm da Canon

Nesta faixa de distância focal, temos uma situação semelhante a dos 50mm, com a diferença de que o projeto de abertura de diafragma a f/1.4, aqui, também pertence a série de luxo da empresa:

  • EF 85mm f/1.8 USM (US$ 419,00), você não vai ler ou assistir a reviews negativos desta lente. Entre os pontos fortes, que são apontados sobre este projeto, é a velocidade do autofoco — que bate a das outras 2.
  • EF 85mm f/1.4L IS USM (US$ 1600,00), custa 4X (um pouqinho menos…) mais caro que 85mm f/1.8. O que a Canon está te cobrando aqui, é um projeto óptico superior, a estabilização de imagem e, obviamente, os acessórios de sempre (bolsinha, hood e o filtro de proteção).
  • EF 85mm f/1.2L II USM (US$ 2000,00), custa 5 vezes mais que 85mm f/1.8. Em relação à 85mm f/1.4 L IS USM, você paga mais pela excelência óptica — mas vai perder a opção de estabilização da imagem.

Conclusão

Vai haver casos em que a diferença de preços entre uma objetiva da série L, em relação a sua versão mais barata, é, se não pequena, justificável.

Para mim, o grande apelo das objetivas de luxo é a resistência (a poeira, a água e a choques). O salto, em qualidade, nunca me pareceu grande a ponto de desembolsar, em alguns casos, 11 vezes mais dinheiro.

Como fotógrafo, não sou um maluco por nitidez ou detalhes ínfimos nas imagens. Não ligo para vinhetas ou eventuais distorções — que, geralmente, podem ser corrigidas dentro da câmera.

Mas me preocupo com a durabilidade do equipamento e esta é uma das respostas que a série L oferece aos seus clientes.

Jamais me envolveria em dívidas para adquirir uma lente nova, mas com certeza, estou sempre disposto a guardar dinheiro, por um tempo maior, até completar o necessário para adquirir “a lente dos meus sonhos”.

Sinceramente, se não for para deixar a objetiva em cima de uma estante, pegando poeira, com certeza vale a pena fazer o esforço para adquirir a que você quer.

Fotografia de pássaros e vida selvagem com a Canon EF 100mm f/2.8 USM Macro

Deixa eu admitir, logo no começo, que a lente usada é inadequada para a tarefa e que nem a Canon ou qualquer fotógrafo sério de vida selvagem a menciona como equipamento para este tipo de fotografia.

Mas… o que seria dos geeks, se não topássemos alguns desafios, de vez em quando? 😉

A Canon EF 100mm f/2.8 USM Macro (versão “não-L”), é uma lente muito boa para retratos e projetada para obter imagens macro.

É um projeto fascinantemente bem-feito e é muito comum os reviewers dizerem que não perde em nitidez para a “versão L” (que tem estabilização óptica imagem).

Canon EF 100mm f/2.8 USM Macro.

Apesar da inadequação da lente para o tema, gostaria de mostrar o resultado que obtive, ao fotografar um Martim-pescador-grande (Megaceryle torquata) a uma distância superior a 100 metros (em alguns momentos).

A câmera usada foi uma Canon EOS 6D Mark II, no modo de autofoco de múltiplos pontos centrais — o que ajudou tremendamente a cravar o foco no animal. Eu, realmente, só precisava de uma teleobjetiva para obter o resultado ideal.

Como é possível observar, nas imagens, o foco da Canon EF 100mm f/2.8 USM é perfeitamente responsivo e capaz de acompanhar cenas de ação, por mais rápidas e intensas que sejam.

O recorte da imagem (zoom digital) foi de mais de 10X e há uma clara perda de nitidez causada por isso. Eu poderia ter melhorado as imagens no DarkTable, mas optei por mostrar as fotos o mais “cruas” possível.

Se levarmos em conta as condições duras do desafio e que a objetiva não é, nem de longe, projetada para este tipo de ação, é possível dizer que ela não “passou vergonha”.

As imagens obtidas servem para mostrar aos amigos, postar nas redes sociais — mas estão muito aquém do nível necessário para subir pro wikiaves ou outros sites de fotografia de pássaros e vida selvagem. Os 200mm, de distância focal, continua sendo o mínimo para se começar este tipo de fotografia.

Qual a melhor lente para comprar, depois da lente do kit?

Quando falamos de câmeras APS-C ou cropped, a lente do kit, usualmente, é uma 18-55mm.

Canon, Nikon e Fujifilm usam estas distâncias focais nas suas lentes de kit APS-C.

Câmeras de lentes intercambiáveis (que podem ser trocadas), costumam ser vendidas com uma objetiva de zoom padrão, chamada “lente do kit”.

Há uma crença generalizada de que são de qualidade inferior — o que não corresponde à verdade.

Objetiva Canon EF-S 18-55mm com estabilização de imagem. Foto: canon.com.br

Outra crença generalizada, é de que a próxima lente a ser adquirida tem que ser uma 50mm ou uma “cinquentinha” — e, em muitos casos, isto também não corresponde à realidade ou às necessidades das pessoas.

Em meio a tantas “crenças” e mitos, como é possível tomar uma decisão mais acertada? Que tal repassarmos mais alguns questionamentos?

Precisa comprar outra lente, logo depois que comprou a câmera?

Não acredito e nem advogo que você compre absolutamente nada.

Pelo contrário. Se acabou de comprar a sua primeira câmera, você precisa aprender a usá-la, entender como funciona e absorver o máximo de técnicas de fotografia possível.

Como geek, acredito em aprender a usar e a extrair o máximo possível dos equipamentos que tenho em minhas mãos.

Tudo tem limitações, que a gente deve tentar vencer ou contornar com técnica e estudo.

Sair para fotografar todo dia, ou sempre que puder, é o melhor que você pode fazer para apurar as suas técnicas.

A partir daí, o melhor investimento passa a ser o conhecimento — que pode vir na forma de livros sobre fotografia, cursos presenciais ou online, workshops, blogs, vídeos no Youtube, podcasts etc.

Normalmente, uma nova técnica tem muito mais impacto na nossa fotografia do que um equipamento novo.

Qual distância focal você gosta mais de usar?

Depois de um bom tempo brincando com a sua câmera e a lente zoom do kit, é provável que exista uma distância focal que você gosta mais de usar para fazer suas fotografias.

Vamos supor, dentro do zoom de uma lente 18-55mm, você pode gostar mais de trabalhar em 18mm, ou 24mm, ou 35mm, ou 55mm…

Objetiva Fujinon XF18-55mmF2.8-4 R LM OIS. Foto: loja.fujifilm.com.br

Você ainda não sabe qual destas distâncias focais é a sua preferida? Então faça um teste bem simples.

Selecione uma delas e saia para fotografar todo dia, durante um mês — usando apenas a distância focal selecionada.

Sugiro passar 1 mês fotografando exclusivamente na distância focal de 50mm; No outro mês, use exclusivamente 40mm e, por fim, tente 24mm.

Ao fim desta jornada, você saberá com exatidão o que é melhor para você.

Se optar por fazer isto, nem precisa ler o restante deste post — por que você já terá conseguido a melhor resposta que poderia obter.

Mas “eles” dizem que eu preciso comprar a 50mm…

Objetiva Canon EF 50mm f/1.8. Foto canon.com.br

Este é um conselho muito comum, dado aos iniciantes. E há vários problemas nele. Me deixe elencar alguns:

  • A 50mm (ou a “cinquentinha”) oferece a mesma perspectiva, ou ângulo, do olho humano — ou seja, dá uma dimensão mais realista para a sua fotografia.

O problema é que não é uma verdade absoluta. Para alguns fotógrafos, 40mm é uma distância focal mais natural. Para outros, é 35mm.

Novamente, você precisa verificar qual é a que você mais gosta de usar.

  • A referência da 50mm é o sensor fullframe, não o sensor APS-C. Aqui, o problema é o seguinte: em um sensor APS-C, uma lente 50mm vai dar um perspectiva equivalente a 80mm (Canon) ou 75mm (nas outras marcas). E isto pode ser um ângulo muito fechado para alguns fotógrafos.

Sensores APS-C, são também chamados de “cropados” ou cropped — que quer dizer recortado em inglês.

O APS-C é 1,5 ou 1,6 vezes menor em relação ao sensor padrão full frame.

Em um sensor APS-C, a distância focal de 24mm, pode estar mais próxima da perspectiva “normal” do olho humano do que a 50mm.

Em algumas marcas, como a Fujifilm, as lentes 23mm são sugeridas como normais ou standard para as câmeras com sensor APS-C. A Olympus, já sugere 25mm.

Conclusão

Como vários outros temas da fotografia, este não é um assunto que se esgota fácil.

Há vários pontos de vista a ser considerados e muitos deles podem estar certos ao mesmo tempo.

Lentes não são baratas e, se você estiver com dúvidas, certamente, deve esperar um pouco mais antes de fazer qualquer compra neste sentido.

Deixe as suas dúvidas nos comentários, se quiser.