Dicas e truques para fotografar em HDR nas câmeras Canon

A fotografia em HDR (High Dynamic Range) é uma solução — de software interno da câmera — para obter uma gama maior de detalhes nas suas fotos.

O recurso existe para conseguir registrar mais informações nas suas imagens, tanto nas altas-luzes como nas sombras.

O princípio é muito simples:

  • a câmera tira uma foto com a exposição que você escolheu.
  • tira outra subexposta em relação à primeira foto (para obter mais detalhes das altas-luzes)
  • tira outra sobrexposta em relação à primeira foto (para obter mais detalhes das sombras)

Feito isso, o software interno combina as 3 imagens em uma só — que terá maior riqueza de detalhes.

Lá embaixo, na minha galeria de imagens, você poderá ver meus erros e meus acertos — com alguns exemplos de situações em que o HDR funcionou lindamente e outras em que ele pode ser contraindicado.

O software de HDR, é capaz de alinhar as imagens, para compensar pequenos movimentos da sua mão durante as 3 capturas.

Infelizmente, nem todas as câmeras possuem o recurso de fotografia em HDR — mas isso pode ser contornado com o bracketing de exposição (que será assunto de outro post).

Como ativar o modo HDR nas Canon EOS Rebel

Nas câmeras da linha Rebel, quando presente, o modo HDR é representado pelo ícone com 2 círculos entrelaçados — que representam uma intersecção de fotos sobrexpostas e subexpostas.

No modo HDR, será possível selecionar entre diversos efeitos HDR. Ali embaixo, falo mais sobre isso.

Se a sua câmera não tiver o modo HDR, use o modo SCN — Scene Intelligent,

Há também s usualmente, o modo HDR está dentro da seleção SCN (Scene Intelligent)

Qualquer um destes 2 modos permite fazer fotos em HDR — embora tenham propósitos diferentes.

O modo SCN, tem uma série de submenus para os ajustes automáticos da sua câmera. Localize a opção Controle de Contraluz HDR.

O controle de contraluz HDR retém um pouco mais dos detalhes das áreas de sombra e de altas-luzes com 3 disparos contínuos, cada um com uma configuração de exposição diferente.

A partir daí, toda foto tirada será composta de 3 capturas em sequência, como explicamos acima.

Outras formas de selecionar e configurar o modo HDR na Canon

Nas câmeras de nível “superior” às Rebel, o modo HDR é mais flexível e tem mais opções — além da SCN. Na série 5D, é possível obter cada uma das 3 imagens separadas, além da imagem final.

Nas 6D, que é o meu caso, é necessário alterar a qualidade da gravação da imagem para JPEG — o modo HDR não funciona em RAW.

Antes de tentar ativar o modo HDR, ajuste a qualidade de gravação das imagens para JPG.
Desative a opção de gravação em RAW e escolha uma das opções em JPEG.

Ainda no menu vermelho, verifique se a sua câmera tem o Modo HDR de fotografia.

Nas câmeras da série 6D, o modo HDR só está disponível se a câmera estiver configurada para gravar as imagens em JPEG.

Toque na opção “Modo HDR”, para ativar o submenu de configuração do recurso.

Ajuste da variação dinâmica do HDR

Menu principal de configuração do Modo HDR, na Canon EOS 6D Mark II.

Na maioria das vezes, a opção de ajuste automático resolve bem. Mas, se quiser, você pode ajustar a câmera para exposições de até + ou – 3EV.

Ajustes da variação dinâmica.

Recomendo fazer alguns testes, para determinar o que serve melhor para o seu caso e para o tipo de foto que você está tentando obter.

Efeitos HDR

Você pode aplicar um (dentre 5) efeitos HDR à sua imagem. Novamente, o ideal é fazer algumas experiências para ver qual se encaixa melhor na cena que você deseja registrar.

Submenu de efeitos HDR Canon

Note que cada ítem possui um ícone que descreve o resultado que o efeito oferece. Tenha em consideração também que os efeitos HDR são combinados ao estilo de imagem (picture style) que estiver selecionado. Trabalhe com as duas ferramentas, para criar imagens de acordo com o seu gosto artístico/pessoal.

  • Natural — é o efeito indicado para quem deseja apenas obter uma imagem com um alcance dinâmico mais amplo, com mais detalhamento nas sombras e nas altas-luzes. Vai resultar em uma imagem mais natural e orgânica. Este efeito mantém o brilho, a saturação, as bordas e tem uma gradação achatada.
  • Arte normal — melhora ligeiramente a recuperação dos realces (altas-luzes) e das sombras, em relação ao efeito natural. Reduz o contraste, achata a gradação e dá um contorno mais claro/escuro ao assunto da foto, para dar uma aparência de pintura.
  • Arte vívido — as cores são mais saturadas, em relação ao efeito anterior. Além disso, reduz o contraste e achata a gradação para dar um efeito de “arte gráfica” à imagem final.
  • Arte forte — é o efeito com as cores mais saturadas e contornos mais fortes, para realçar mais o assunto e dar um tom de “pintura a óleo”.
  • Arte relevo — este efeito reduz (bastante) a saturação, o brilho, o contraste e a gradação para resultar em uma imagem de tons “planos”, dando uma aparência desbotada e velha. Já os contornos do assunto terão maior intensidade no brilho/escuro.

Minha dica: Para paisagens e fotografias da natureza (flores, por exemplo), eu uso estilo de imagem=”paisagem” e qualquer um dos 3 primeiros efeitos HDR. Com preferência pelo “arte normal“.

Alinhamento das imagens

Ative ou desative o alinhamento automático das imagens.

O software alinha automaticamente as suas imagens, dentro da câmera. Durante este processo, a sua câmera poderá ficar alguns segundos indisponível.

Se você tiver um tripé ou alguma superfície estável para apoiar a câmera, pode desligar esta função para tornar o processo mais ágil.

Cuidados ao usar o modo HDR

A imagem, acima, mostra um erro de alinhamento, que pode ocorrer. Na prática, é um desalinhamento de menos de 1 milímetro e que passa totalmente despercebido na tela do celular.

O software da câmera é muito eficiente no alinhamento das imagens, mesmo que você trema ou movimente um pouquinho a câmera. Mas não faz milagres.

Na minha experiência, funciona melhor com lentes com estabilização óptica. Se você tiver uma câmera com IBIS (estabilização do sensor), os resultados serão ainda melhores.

O ideal, é usar um tripé, contudo.

Contudo, se você pretende apenas postar nas redes sociais, nem precisa se preocupar. Eventuais desalinhamentos são totalmente imperceptíveis.

Minha dica: Para reduzir as chances de obter imagens desalinhadas e/ou borradas, uso o ISO um pouco mais alto, para poder trabalhar com velocidades de obturador também mais altas.

Alternativas ao HDR

O uso do modo HDR é perfeito para quem só quer sair com a câmera na mão, tirar suas fotos e guardar ou compartilhar nas redes sociais.

Se vocẽ quer aplicar algum pós processamento às suas imagens e, eventualmente, imprimi-las, o bracketing pode ser uma opção mais adequada.

Aliado ao uso de um tripé, o bracketing pode resultar em imagens de altíssima resolução, ricas em detalhes, perfeitamente alinhadas e sem borrões.

Esta técnica permite gravar as imagens em RAW, o que vai te dar muito mais material para trabalhar na pós.

Se tiver interesse, confira outras imagens no meu instagram ou no meu Flickr (alta definição).

Saiba como acompanhar os posts do site!

Referências

https://www.techradar.com/how-to/photography-video-capture/how-to-get-the-best-out-of-canon-s-built-in-hdr-feature-1323200

https://asia.canon/en/support/8201909000

https://support.usa.canon.com/kb/index?page=content&id=ART177911

Elias Praciano

— fã de séries, como "Love, Death & Robots", "Rick and Morty" e "Ray Donovan". Gosta de criar imagens, direto da câmera, com o mínimo de pós-produção. Há vários anos o seu livro favorito é Neuromancer, de William Gibson.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.

Post comment

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.

%d blogueiros gostam disto: