3 Tecnologias e ideias incríveis que se tornaram obsoletas nas câmeras atuais

publicado

Fabricantes já fizeram vários lançamentos com recursos tecnológicos inovadores, ao longo dos anos.

Em alguns casos, os recursos foram largamente adotados por um tempo e depois abandonados em função de outras tecnologias — nem sempre equivalentes.

Vou enumerar, abaixo, alguns itens que — na minha humilde opinião — não deveriam ter ido embora.

Memória interna

Entendo que seja um recurso caro e que sua implementação sempre impactou o preço de custo das câmeras.

Mas sempre foi extremamente útil, principalmente quando esquecemos o cartão de memória em casa.

Nas câmeras profissionais, há 2 slots para inserir os cartões de memória.

Aparentemente, a memória interna está sendo substituída pela tecnologia de subir as fotos diretamente para serviços de armazenamento online (nas nuvens) ou direto para um computador/celular dentro da rede local — recurso que já está presente em câmeras de entrada, como a Canon EOS Rebel t8i ou 850D.

O cartão de transferência Eye-Fi

Outra alternativa de transferência de arquivos via Wi-Fi é o cartão Eye-fi, que é colocado dentro do slot no lugar do cartão SD normal.

Este dispositivo já vem com uma certa quantidade de memória (entre 8 e 32 GB) e pode ser configurado para enviar suas imagens para o computador ou celular próximo — que precisa ter um software instalado para receber.

Uma vez que as câmeras atuais começam a adotar esta funcionalidade internamente, O Eye-Fi, tem se tornado obsoleto.

Como funciona o Eye-fi.

GPS — posicionamento global

Algumas câmeras ainda são fabricadas com o GPS embutido — Canon EOS 7D Mark II, EOS 6D (clássica e Mark II), EOS 5D Mark IV, EOS 1DX Mark III etc.

O dispositivo se comunica com vários satélites, ao redor do globo e obtém as informações sobre hora local, latitude, longitude e elevação do terreno — e grava no arquivo de imagem/vídeo e em um log.

Isso permite saber exatamente aonde cada foto foi tirada. Muito útil para quem viaja ou faz trilha organizar suas imagens depois.

Atualmente, as câmeras obtém estas informações do seu celular ou do GPS do seu carro, via Wi-Fi ou Bluetooth.

O GPS, como dispositivo interno da câmera, é barato e ocupa muito pouco espaço. Ao ligar a câmera, ele já está pronto para começar a fornecer dados da localização para serem gravados nos arquivos de imagem.

O GPS “externo”, no celular, infelizmente, acrescenta uma etapa a mais ao processo. Você precisa conectar os dois (celular e câmera).

Conexão ao celular com um toque

O recurso de conexão NFC — Near Field Communication — permite conectar a sua câmera ao seu celular encostando um no outro. A Canon já tinha este recurso incluído em modelos de entrada, como a EOS Rebel T6 e o manteve até a EOS 6D Mark II (2017), entre outros modelos contemporâneos.

O uso do Bluetooth e do Wi-Fi vem substituindo o NFC, que não é suportado por todos os celulares.

Logo do NFC (Near Field Conection).

A conexão via NFC, era uma forma totalmente “transparente” de transferir imagens entre dispositivos.

Por Elias Praciano

— fã de séries, como "Love, Death & Robots", "Rick and Morty" e "Ray Donovan". Gosta de criar imagens, direto da câmera, com o mínimo de pós-produção. Há vários anos o seu livro favorito é Neuromancer, de William Gibson.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.